O que institui as fronteiras?

 

Conforme o dicionário, "fronteira" designa uma divisão, uma demarcação abrupta e evidente, uma delimitação, uma separação. Separa-se e define-se o que está dentro do que está fora de um espaço. Desta forma a ideia de "fronteira” está associada a ideias de pertencimento e exclusão, de identidades, de propriedade, de estrangeiro, de invasões e migrações, etc. Não é apenas um marcador simbólico; é também instrumento que, por uma lado subjetiva e protege, por outro lado, silencia e mata. 

 

Durante os últimos anos, e especialmente durante a pandemia, algumas das concepções de fronteira se tornaram mais presentes e foram intensamente friccionadas. O que parecia um direito inalienável, como o ‘ir e vir’ individual (será uma utopia?), mostrou-se parte de um movimento que acontece numa esfera coletiva, controlado e monitorado, ao menos nos centros urbanos. Enquanto uma parte pôde manter-se em casa e fazer quarentena, com trabalhos remotos possibilitados pelas tecnologias; outra parte teve que enfrentar situações adversas para continuar o trabalho; muitos sofreram com a falta de acesso e perdas de vários tipos. A pandemia nos mostrou (e mostra) fronteiras - de forma realçada e intensificada - definidas por desigualdades de acesso e privilégio.

Como nos posicionar diante das/nas fronteiras? 

 

Nos interessa refletir sobre os processos artísticos como meio, que é atravessado pelas experiências de limites e confins, assim como pela experimentação de gestos nos quais a parte empírica encadena uma sequência de ações, de acontecimentos, acasos, acidentes, que seguem criando um repertório próprio. Esse repertório, por sua vez, aponta para instrumentos e maneiras de lidar com as linhas e limites vividos. Um saber que se dá em ação.

 

Sobre a importância de pensarmos a estética e a produção de imagens das/nas fronteiras nós escutamos a voz de Marcela Bonfim (1):

Também ouvimos a fala de Renata Marquez (2):

 

 

 

 

Assim, em diálogo com as vozes de nossos interlocutores presenciais e mentais, evidenciamos a importância das práticas artísticas que espacializam fronteiras, que problematizam a questão da “obra de arte como objeto de contemplação estética” e criam ficções, que se instalam como diferença em oposição a um mundo indiferente. 

 

Quais são as fronteiras que queremos desafiar?

 

Sigamos com a voz do filósofo Achille Mbembe, que evidencia, justamente, as fronteiras e os limites como uma questão central, epistemológica e prática:

Conhecer o mundo - o que ele é, as relações entre as suas diversas partes, a extensão dos seus recursos e a quem pertencem, como habitá-lo, o que o move e o ameaça, para onde vai, as suas fronteiras e limites, o seu possível fim - tem-nos ocupado desde o momento em que o ser humano de carne, osso e espírito surgiu sob o signo do Negro, isto é, do homem-mercadoria, do homem-metal e do homem-moeda. No fundo, tem sido a nossa questão. E continuará a ser, pelo menos enquanto dizer mundo for o mesmo que dizer Humanidade, e vice-versa.

 

Na verdade, apenas existe um mundo. Ele é um Todo composto por mil partes. De todo o mundo. De todos os mundos. (3)

 

E experienciando o mundo, em diálogo com Jacques Rancière, pensamos a arte não como prática de representar o real, mas como exercício para (re)construir nossa relação com o outro/o mundo, deslocando as linhas de separação entre o real e a ficção, embaralhando as linhas que configuram o campo consensual (4). Escutamos uma fala que aproxima estética e política, o evidenciando o papel da ficção como uma instância que intervém no real:

A política é a atividade que reconfigura os âmbitos sensíveis nos quais se definem objetos comuns. Ela rompe a evidência sensível da ordem “natural” que destina aos indivíduos e os grupos ao comando ou à obediência, à vida pública ou à vida privada, votando-os sobretudo a certo tipo de espaço ou tempo, a certa maneira de ser, ver e dizer. Essa lógica dos corpos tem seu lugar numa distribuição do comum e do privado, que é também uma distribuição do visível e do invisível, da palavra e do ruído, é o que propus designar com o termo polícia. A política é a prática que rompe a ordem da polícia que antevê as relações de poder na própria evidência dos dados sensíveis. (5)

Assim, imagens e práticas podem ser pensadas (re)criações do mundo ou como ficções que relacionam-se às dinâmicas de poder e podem denunciar/dar visibilidade a conflitos geopolíticos em diferentes níveis e dimensões. 

 

Um cartografia de f(r)icções que desafia as fronteiras

 

Os processos artísticos evidenciaram questões que se revelam desde em um nível macro, como violências socioambientais, a um nível micro, como processos bioquímicos do metabolismo humano e os limites da vida/arte e da interação entre ambiente/meios artísticos e exposição/mediação.

A cartografia de f(r)icções do grupo inclui pensar relações de poder no tecido urbano, com Augusto Leal, que nos convida a “des-pensar a cidade”; uma denúncia à contaminação do rio com chumbo, em Cachoeira, no Recôncavo Baiano, com Dayane Ribeiro; nos oferece um banquete feito de restos, com Zahra Alencar; nos torna cúmplices ao ouvir as vozes femininas que denunciam violências, com Potira; nos colocam frente a situações que deslocam a simbologia da bandeira, com Franz Ella; e que posicionam (anti)monumentos em sítios de memória, com Marlon de Paula, para que histórias (literalmente soterradas) sejam vistas. Também nos colocam em diálogo com os invisíveis, com o cultivo do silêncio, em obra de JeisiEkê de Lundu; e a busca da (in)visibilidade, com Padmateo. Por fim, o coletivo Furtacor, nos (re)coloca no processo, retomando algumas das perguntas iniciais que orientaram a residência. Assim, do fim, voltamos ao começo: Como nos posicionar diante das/nas fronteiras? 

Referências

(1) BONFIM, Marcela. In BONFIM, Marcela (org.). Meu meio, é o meio ambiente: V Festival Fotografia em Tempo e Afeto. Porto Velho, 2022. p. 148. https://www.fotografiaemtempoeafeto.com/ 

(2) MARQUEZ, Renata. Arte como prática de fronteira. In: BETHÔNICO, Mabe (Org.). Provisões: uma conferência visual. Belo Horizonte: ICC, 2013. p.3. http://www.geografiaportatil.org/index.php/projects/arte-como-pratica-de-fronteira/ 

(3) MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. Trad. Marta Lança. Lisboa: Antígona, 2014. p.300.

(4) RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. Trad. Ivone C. Benedetti. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012. p. 75.

(5) RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. Trad. Ivone C. Benedetti. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012. p. 59-60.

renata trecho.png
renata trecho 2.png
marcela trecho.png

SEXTA

17h - 20h

Dayane Ribeiro
press to zoom
Potira Maia
press to zoom
Ella Franz Rafa
press to zoom
Zahra Alencar
press to zoom
JeisiEkê de Lundu
press to zoom
JeisiEkê de Lundu
press to zoom
Augusto Leal
press to zoom
Padmateo
press to zoom
Marlon de Paula
press to zoom
1/2

Fila/ Carreto/ Carro de som

Augusto Leal

 
 
Fraco fio da memória UERJ 2018 foto George Magaraia 3.jpg
pergunta.jpg
FRAGMENTOS 1foto George Magaraia.jpg
Fraco fio da memória UERJ 2018 foto George Magaraia 2.jpg
projeto instalação ainda sem título.jpg
IMG-20220208-WA0020.jpg
IMG_6366.JPG
20220209_115841.jpg
 
Imagem6.jpg
IMG_4305.jpg
IMG_4382.jpg
IMG_4303.jpg
Sem título.png
IMG_4320.jpg
foto - 01 - Créditos_Antônio Cigania.jpg
 
 
foto - 02 - Créditos_Antônio Cigania.jpg
foto 03 - Créditos_Antônio Cigania.jpg
_Foto 05 - Bandeira_hoje sempre ontem.png
 
Foto 06 - Matéria_O Globo_Soterrados_05 02 1971.png
foto 04 - Créditos_Antônio Cigania.jpg
RETRATO 1.png
 

press to zoom
Dia 2
Dia 2

press to zoom
Dia 45
Dia 45

press to zoom

press to zoom
1/6
 
 
marca intervalo s fundo 2.png